Ser bom em alguma coisa (especialmente em Bateria), geralmente não é fácil. Isso pode, às vezes, ser frustrante porque sua cabeça quer tocar coisas que seus músculos não conseguem. É aí que entra a paciência e a dedicação. Às vezes, você precisa repetir exaustivamente um exercício até que ele fique correto. Se você quer ficar bom, tem que PRATICAR!

Postura – você deve gastar algum tempo para ajustar o banco e a caixa numa posição confortável, que permita que você mantenha os braços e ombros completamente relaxados e a coluna reta. Na hora de comprar seu banquinho, não economize dinheiro. Escolha um modelo que ofereça maiores opções de regulagem. Não use cadeiras! As cadeiras são geralmente muito baixas e não permitem uma posição confortável da coluna (evite lesões e esforços desnecessários!).

Rebote – vamos começar com o conceito de rebote (Rebound Strokes). Se você jogar uma bola de “ping-pong” numa mesa, ela vai completar uma série de “pulos”, até que perca a força. Para sustentar o movimento da bola, temos que golpeá-la novamente. Na bateria, a “pele” do instrumento se encarrega de fazer o rebote (retorno da baqueta). Quanto mais forte você golpear a pele, mais alto será o retorno da baqueta.Vamos fazer uma experiência – mantenha sua mão direita aberta e com os músculos relaxados. Agora faça um movimento para os lados como se estivesse dando “tchau”. Faça o mesmo movimento, porém, com a mão fechada. Perceba como o movimento ficou “duro”, tenso. Quanto mais tensão você aplicar, mais lentos serão os movimentos e consequentemente as batidas (notas). Permaneça relaxado e use os movimentos dos pulsos e dedos, não dos braços. Estudaremos esses movimentos mais adiante.


Posição correta dos dedos para segurar a baqueta

É importante uma posição correta dos dedos, pulsos, antebraços e braços ao segurar a baqueta; para conseguirmos controlar o rebote e aplicarmos os movimentos de upstroke, downstroke e tap, assim como o flam e todos os outros movimentos usados na execução da bateria.

1º passo – segure a baqueta com o polegar e o indicador. Cada modelo de baqueta possui peso e dimensões diferentes. Por isso você deve descobrir o “ponto de equilíbrio” da baqueta, tocando na caixa e procurando obter o maior número de rebotes possível.

2º passo – agora feche a mão, fazendo com que os três dedos restantes encostem na baqueta sem agarrá-la. Apertar demasiadamente a baqueta apenas provoca tensão, o que trará dificuldades ao tocar os rulos e notas fantasma.

3º passo – para a mão esquerda simplesmente repita os mesmos conceitos da mão direita.
Agora, coloque a ponta das duas baquetas no centro da pele. Deixe a palma das mãos para baixo. Assim, as baquetas formarão um ângulo de 90°. Lembre-se de deixar os pulsos, braços e ombros totalmente relaxados.

Procure tocar todas as notas no centro da pele, isso fará com que as duas mãos “tirem” o mesmo som do instrumento. Note que cada ponto da pele produz um som diferente – quanto mais próximo ao aro, mais fraco é o som.

Verifique a “pegada” em vários ângulos:
Pratique o exercício abaixo, chamado de “8 por mão”. Nele, você vai isolar 8 batidas para cada mão e poderá se concentrar nos Rebotes. Use um movimento completo do pulso para cada batida, mas lembre-se de deixar a pele do instrumento fazer o retorno da baqueta. Permaneça o mais relaxado possível!

D D D D D D D D E E E E E E E E

Exercícios de manulação – faremos agora alguns exercícios para desenvolver uma coordenação entre as mãos. Usaremos D para a mão direita e E para a mão equerda. O propósito dos exercícios é de manter uma “qualidade de som”, isto é, equilíbrio entre as notas, não importando se estamos tocando rápido ou devagar.


Algumas coisas que devemos observar:


• Use um movimento completo do pulso para cada batida (o braço somente se move em reação ao pulso);
• Seu braço deve estar paralelo ao chão quando você toca na caixa;
• O antebraço e o ombro devem estar relaxados e próximos ao corpo;
• A ponta da baqueta deve bater no centro da pele;
• Trabalhe para manter uma firmeza de andamento (velocidade).

Manulações:

1. Oito toques com a mão direita e oito toques com a mão esquerda
D D D D D D D D E E E E E E E E


2. Quatro toques para cada mão
D D D D E E E E D D D D E E E E


3. Dois toques para cada mão
D D E E D D E E D D E E D D E E

4. Um toque para cada mão
D E D E D E D E D E D E D E D E
5. Combinação de mãos 1
D E D D E D E E D E D D E D E E

6. Combinação de mãos 2
D E E D E D D E D E E D E D D E

7. Combinação de mãos 3
D D E D E E D E D D E D E E D E

8. Combinação de mãos 4
E D E E D E D D E D E E D E D

Você conseguiu fazer o exercício todo duas vezes sem erro? Meus parabéns. Você prestou atenção nos movimentos dos pulsos e manteve um andamento constante? São em exercícios como estes que devemos desenvolver também a nossa paciência. Lembre-se: se você quer ser um grande músico, comece agora e exija disciplina de você mesmo!
Rudimentos


É extremamente importante que o baterista tenha completo domínio sôbre as duas mãos, não importando se ele é canhoto ou destro. É o que chamamos de ambidestria. Além disso, do ponto de vista técnico, o estudante deve propor-se a desenvolver uma coordenação e equilíbrio entre as duas mãos; resistência e velocidade. Por isso, torna-se fundamental a prática dos rudimentos.


No dicionário, rudimento é descrito como; “Elemento inicial, Princípio, Condição…”. Os rudimentos são os primeiros passos e fundamentos da percussão em todo mundo. Você deve começar, aprendendo os rudimentos, desde os primeiros dias que comprar as baquetas. Se você quer realmente dominar a arte da percussão, não importando se você vai tocar caixa numa Banda Militar ou bateria numa Banda de Rock’n’roll, deve praticar os rudimentos!

Os Rudimentos são divididos em “famílias”:


• a família do Paradiddle
• a família do Single Stroke (toque simples)
• a família do Double Stroke (toque duplo)
• a família do Flam
• a família do Drag


Estudaremos primeiramente um ou dois exemplos de cada família, aos poucos iremos adicionando as outras variações.
Drag Rudiments

Os Drags vão exigir um ótimo controle sobre o REBOTE DUPLO. Se você desenvolver bem os primeiros exercícios de Drag, não terá problemas com suas variações, pois são bem similares na sua estrutura.


Alternating Ruff (Rufo Alternado)


Rufo Alternado (ou “Drag” como é geralmente chamado) é um rudimento de REBOTE, similar aos RULOS. O Drag é composto de dois rebotes e uma nota principal.


Antes de começarmos os estudos deste rudimentos, devemos ter dominado os conceitos dos rudimentos de toque duplo(Roll Rudiments).


Ok, vamos lá. Em andamentos mais lentos, as apogiaturas são tocadas como dois rebotes separados. Use um movimento de pulso curto e relaxado. Em andamentos mais rápidos use os dedos para controlar os toques duplos. Exemplo:
A dificuldade do Drag está em fazer o rebote duplo “soar” consistente e uniforme. Este exercício vai ajudar a isolar o Drag na mão direita e depois na esquerda. Às vezes, para efeito de estudo, é interessante exagerarmos na altura da baqueta ao tocar a nota principal. Isto solidifica o conceito de “duas alturas” (apogiaturas movimento baixo e nota principal movimento alto).

Outro problema comum é o de tocarmos a nota principal como um rebote. Isso é natural, porque a mão direita “quer” fazer a mesma coisa que a mão esquerda está fazendo e vice-versa.




















Uma vez que você tenha dominado o exercício anterior, tente alternar o Drag entre as duas mãos. Lembre-se de fazer as apogiaturas próximas à pele e a nota principal mais alta.










Flam Rudiments


Vamos dar início ao estudo da família do mais difícil dos rudimentos. Os Flams exigem muita atenção e muita prática.

Se você nunca praticou o Flam antes, há alguns conceitos fundamentais que você deve dominar primeiro. São eles: o UP STROKE, o DOWNSTROKE, o TAP e o REBOTE. se você já tem domínio sobre esses conceitos, vamos em frente.


Flam Alternado

O Flam Alternado é a base de todos os rudimentos da família dos Flams. Se você “gastar” um tempo agora desenvolvendo corretamente os fundamentos requeridos no Flam Alternado, todas as outras variações serão mais fáceis, mas se você negligenciar esses conceitos básicos agora, você terá problemas mais tarde com os outros Rudimentos derivados deste.

O Flam é composto de 2 notas – a apogiatura (nota pequena) e a nota principal. Exemplo:


 
 
 


Sempre toque a apogiatura levemente (cerca de 2 cm acima da pele), não importando a velocidade ou volume da nota principal.

Vamos começar com um exercício preparatório.



























Exercícios de Rebote

Vamos começar relembrando o conceito de rebote. Se você jogar uma bola de tênis no chão, ela vai completar uma série de saltos (rebotes), até que perca a força. Para sustentar estes saltos, você deve aplicar uma nova força sobre a bola. No caso da bateria, a pele do tambor se encarrega de fazer o rebote da baqueta. Lembre-se de controlar a pressão dos dedos sobre a baqueta para “sentir” o rebote.

Para tocar o rebote adequadamente, você não deve manter tensão alguma sobre os dedos, pulsos ou antebraços. Use pressão suficiente apenas para segurar a baqueta. Para andamentos mais lentos, use um movimento completo do pulso. Andamentos mais rápidos requerem movimentos dos dedos.








Estes exercícios são combinações de 3, 6, 9 e 12 toques para cada mão. Pratique primeiro cada um separadamente, depois siga a sequência de 3 a 12 toques sem parar, pelo menos uns 8 compassos. Não comece muito rápido, não trabalhe além do seu limite.






































Estar tenso quando você toca os exercícios de toques alternados é um problema comum. Quando você tocar o segundo compasso deste exercício, tente deixar a mão esquerda tão relaxada quanto no primeiro (idem para mão direita nos compassos 3 e 4).
















Neste exercício vamos usar um movimento “longo” para a primeira nota, e então permitir que a baqueta rebata duas vezes, porém devemos controlar esse rebote com o pulso e os dedos.
















Este é um exercício que vamos usar para reforçar a técnica do toque duplo, mas vamos fazê-lo aqui também porque ele vai nos ensinar a relaxar o pulso nos andamentos lentos e deixar a pele do tambor fazer o rebote.
































Este exercício requer bastante atenção, procure se concentrar nos movimentos e, como sempre, comece num andamento lento.
add_action( 'related_posts' );
Imagem do autor

Autor: Som Batera

Tudo sobre bateria. Várias dicas, exercícios, partituras e biografias para ajudar o seu aperfeiçoamento nesse instrumento musical.