São duas técnicas para bumbo que se diferenciam entre si pela posição dos pés na sapata do pedal, a “Heel up” (Calcanhar levantado) e “Heel down” (Calcanhar abaixado). Muitos bateristas se perguntam qual é a melhor maneira para tocar ou qual das técnicas é a melhor. Vamos tentar nos aprofundar um pouco nessas técnicas para tentar chegar a uma conclusão.

Heel Down

Tocar com o calcanhar abaixado é nitidamente a forma mais fácil de se tocar o bumbo, até porque já usamos essa técnica no hi-hat da bateria. Não que seja impossível de tocar com o calcanhar levantado com o pé esquerdo, mas há uma dificuldade a mais que é encontrar o seu ponto de equilíbrio no banco da bateria para um maior desempenho. Além disso, o calcanhar para baixo ajuda no desenvolvimento do controle do baterista.

Heel Up

Tocar com o calcanhar levantado também tem suas vantagens. Dá agilidade e pegada ao baterista, além de uma sonoridade mais seca. Mas também é uma técnica mais difícil de ser executada para quem está acostumado a usar o calcanhar abaixado. Geralmente quem usa o calcanhar abaixado não tem tanta força e resistência nos pés.

Então, quais técnicas para bumbo devo usar?

Existem grandes bateristas que usam somente o Heel up e outros que somente usam Heel down. Mas também há aquele grupo que tocam de ambas as formas. Com o calcanhar levantado em músicas que exigem mais pegada. E que em músicas de andamento mais lento, usam do calcanhar abaixado. Mas a conclusão que chegamos é que devemos aprender ambas as técnicas e ver em qual delas teremos um desempenho melhor. Lembrando que o importante é sempre estar disposto a conhecer novas coisas e aprendê-las.

Veja também:
+
Dicas para ser um bom baterista
+ Afinando o bumbo da bateria

• • •

E você, já sabe qual dessas técnicas para bumbo é a que melhor se enquadra para o seu estilo? Deixe seu comentário abaixo.

CONTEÚDO VIP

COMPARTILHAR
André Castilio
Começou a tocar bateria bem jovem, na sua igreja, aos 11 anos de idade e daí não parou mais. Atualmente com 21 anos e estudante de Ciências Atuariais na UERJ, também atua como colunista do Som Batera.

3 Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA